in food, portuguese

dia 570 – o protocolo da batata

Esta semana andei a ler sobre os seguintes temas: perda de peso estagnada, carb refeeds, dieta da batata e uma abordagem/explicação diferente sobre nutrição/nutrientes.

Resumidamente, com uma dieta que se enquadra na Paleo Diet, consegui atingir e manter um peso razoável para a minha idade, estatura, etc. No entanto, e apesar de estar há 5 meses a fazer 2 a 3 treinos de Crossfit por semana, não me livro do resto da barriga.

Isto levou-me a ler uns artigos sobre perda de peso estagnada e carb refeeds (principalmente este, este e este). Entretanto, o Richard Nikoley (autor do blog Free The Animal) anda a fazer experiências de perda dos “últimos kilos” com a dieta da batata, que consiste em comer apenas batatas durante 1 a 2 semanas. De blog em blog, fui parar ao Thermogenex, cujo autor está a apresentar uma explicação diferente sobre nutrição, sem se focar em macronutrientes (proteínas, hidratos de carbono e lípidos), nem entrar em detalhes demasiado técnicos e detalhados para um comum mortal (como eu…). Estou a gostar. Está a fazer-me olhar de forma diferente para os alimentos, nomeadamente para os apelidados de “Hidratos” e para as quantidades de “Proteínas” que acabo por ingerir na minha dieta actual. Vou continuar a ler.

Destas leituras, sobressaem algumas ideias sobre as quais ando a pensar:

  1. Só se perde gordura em défice de calorias (caso contrário o corpo nunca vai às “reservas” – de gordura).
  2. O corpo necessita de duas coisas (visão simplista): glucose para “combustível” e aminoácidos, vitaminas e minerais para “manutenção”.  
  3. A glucose é a nossa fonte de energia básica (independentemente da sua origem, gordura, carbs ou proteínas).
  4. O “combustível” pode ter origem na gordura ou nos hidratos de carbono pois ambos são convertidos para glucose. A proteína é usada depois do corpo ter retirado tudo o que necessita para “manutenção”.
  5. A dieta “Paleo” que tenho seguido dá-me as componentes de “manutenção” que necessito, reduz a quantidade de “combustível” ingerido, obrigando o meu corpo a ir às “reservas” (vertente low-carb).
  6. Poderei estar numa fase de estagnação de perda de gordura por:
    • Não estar em défice de calorias (na prática como mais fruta, carbs e gorduras do que nos primeiros meses de alteração de dieta)
    • Os meus níveis de gordura reduziram, dando indicações ao corpo de falta de “energia” disponível, criando uma barreira ao acesso às reservas
    • Isto pode também ser explicação para o facto de andar com mais fome (visto que o corpo sente que não há energia disponível)
    • Não andar a dormir sempre 7 horas e o nível de cansaço ser algum
  7. Comer só batatas durante 15 dias fornece ao corpo saciedade e ao mesmo tempo défice de calorias (são necessárias 15 batatas médias para chegar a 2200 kcal, e 15 batatas é muita batata, cerca de 2.5 kg) e todos os aminoácidos essenciais, o que poderá traduzir-se em maior acesso às “reservas”.
  8. Comer só batatas para sempre é impossível por questões de monotonia mas também por falta de outros nutrientes que o corpo necessita. Durante 15 dias não vem mal ao mundo e mostra que a batata em si (também dá com arroz) não é um alimento mau (apesar de não ser completo).
  9. Fazer a experiência de comer só batatas durante 15 dias pode levar-me a perder “reservas” (devido ao défice de calorias) mas posteriormente é necessário encontrar um equilibrio que permita que ande mais saciado  com a dose adequada de “combustível” e “manutenção”, mantendo um nível energético suficiente para as minhas actividades diárias (sem engordar) e saúde geral.

Com isto tudo estou tentado a experimentar o protocolo ou dieta da batata, que consiste em comer apenas batatas (temperadas com muito pouca gordura e algumas especiarias) durante 1 ou 2 semanas. Se realmente tentar este protocolo, terei de variar para conseguir aguentar. Algumas variantes possíveis são (ainda que tenha que simplificar as receitas):

  1. Patatas bravas (ver)
  2. Esmagada de batata (ver)
  3. Salada quente de batatas (ver)
  4. Batatas a murro com azeite e tomilho (ver)
  5. Batatas cozidas com alhos (ver)
  6. Batatas coradas (ver)
  7. Batatas ao alho (ver)
  8. Batatas à estudante (ver)
  9. Batatas de molho de alho (ver)
  10. Batatas no forno (ver)
  11. Batatas salteadas (ver)
  12. Batatas crocantes do Jamie Oliver (ver)
  13. Puré de batata (ver)
  14. Batata doce assada no forno
ATENÇÃO: não aconselho ninguém a fazer esta experiência. Eu irei eventualmente fazê-la por minha conta e risco. Ponha sempre a sua saúde em primeiro lugar e consulte um profissional de saúde/nutrição que o ajude a atingir os seus objectivos.

Write a Comment

Comment